quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Direito de resposta!

Para quem ainda está em dúvida sobre fazer ou não um blog, vai a minha dica: faça! Para mim, como já disse outras vezes aqui, está sendo uma terapia, e é fascinante discutir idéias. Discutir no bom sentido, é claro, como fez a maior de minhas críticas no momento, Tatiani Abreu. Batendo um papo pelo MSN, ela me falou que não concorda com o que escrevi no texto até que o ponto nos separe, onde, segundo ela, eu fiz duras críticas ao amor. Maravilhoso! É justamente esse o objetivo do blog: trocar opiniões. Fico feliz quando as pessoas se identificam com meus textos, mas também adoro quando alguém discorda dos mesmos. É assim que crescemos intelectualmente.

Pois bem, prometi uma resposta e aqui estou!

Primeiramente, apenas fiz um comentário sobre as pessoas que vivem grudadas umas nas outras, falei sobre um receio ao iniciar uma relação, e sobre pessoas que juram amar, mas provavelmente não sabem o que é isso (me coloquei entre elas, inclusive).

Para ilustrar isso tudo, trouxe dois exemplos.

O primeiro é um casal que cursa a mesma Faculdade que eu. Eles já são super conhecidos pelos alunos e professores, pois não desgrudam UM minuto. Para vocês terem uma idéia, o cara fica o intervalo todo com a menina, leva ela até a mesa (não é na sala) de aula, só sai quando o professor chega (ficam se beijando até ele chegar), e acreditem, 10 minutos depois está ele novamente na porta da sala cuidando a menina. Não quero que me interpretem mal, não estou julgando esse casal, até por que nem os conheço intimamente, mas é apenas para trazer um exemplo da chatice que deve ser uma relação assim, onde as pessoas vivem grudadas. Certamente se você perguntar a um deles sobre o que sentem pelo outro, a resposta vai ser: AMOR! Será? Será que não confundem amor com posse?

O outro exemplo eu já trouxe em forma de vídeo, mas agora o trago em forma de texto, pois é maravilhoso e representa tudo que eu acredito e quis dizer no texto criticado:

"Segundo alguns psicanalistas
Quando se apaixona, você não se relaciona com alguém de carne e osso,
Mas com uma projeção criada por você mesmo;
E a projeção que fazemos é a de um ser absolutamente perfeito,
Mas depois de um período a projeção acaba e você passa a enxergar de verdade a pessoa com quem está se relacionando.
Invariavelmente, algumas virtudes do parceiro ou da parceira vão embora junto com a projeção, outras ficam.
E se o que ficou de cada um for suficiente para os dois, a relação perdura,
Caso contrário, ninguém sabe o que faz o botãozinho ligar e iniciar uma nova projeção,
Mas fortes indícios apontam para um único e delicioso suspeito, o Serenata de Amor.

O amor é inexplicável, mas tem umas coisas que você pode entender!"


Perfeito! Espero ter respondido à minha amiga Tati e a todos(as) leitores(as) que por ventura tiveram a mesma visão mas não se manifestaram. Quero mais uma vez deixar claro que não quis julgar ninguém, é apenas a minha visão, e trouxe perguntas com o intuito de gerar o que a Tati fez, e aproveito para abrir espaço para quem quiser opinar, seja positiva ou negativamente.

Fique a vontade, e como falamos aqui pelo Sul: "Não te mixa, tchê!!!"


Beijos e abraços!

3 comentários:

Tati disse...

bom tudo bem q vc num concorde com a maneira deles de "amar" ... mas dizer q isso num é amor?!! acho q cada um tem sua maneira de amar... seja ela como for pode ser certa ou errada num quer dizer q num seja amor pode num ser amor pra vc mas s faz eles felizes assim ... é AMOR!

Minuto do Intervalo disse...

MAs foi exatamente o que falei! Disse que essa é somente a minha opinião.

O amor tem isso de encantador, cada um o sente de maneira diferente!


Beijos

Anônimo disse...

concordo com a autora do blog,onde cita o exemplo da colega de classe...Amor n é posse, e sim se sentir bem com a pessoa amada...
mostra-se apaixonado n quer dizer viver grudados um no outro,Amor também é liberdade, cada um ter seu proprio espaço p também se relacionarem,terem amizades com outras pessoas.. Valeu... ate+