quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Button Benjamin de Caso Curioso O

Essa semana fui conhecer o cinema do BarraShoppingSul e o Curioso Caso de Benjamin Button.

Bacana o cinema. Com o padrão de qualidade Cinemark, possui assentos em couro e reclináveis. Telão um pouco maior que os outros cinemas. Mas o que mais gostei foi a inclinação. Meio arena, assim. Ninguém fica na frente. A novidade ficou por conta da poltrona numerada. Seleciona na hora do pagamento. O difícil é encontrar o número no escuro. Principalmente para os brasileiros, que são extremamente pontuais.

Excelente o filme. Foge do óbvio. Mostra a vida ao contrário. Tão simples que ninguém pensou nisso antes. É que nem uma campanha publicitária. Depois de pronto sempre tem um leigo que diz: "que simples. Até eu faria isso". E por que não fez? Tá perdendo dinheiro! Voltando ao filme, achei curioso o fato da necessidade de haver um romance. Mais curioso que o próprio caso de Button, que já é um tanto curioso. Mesmo que o beijo na boca não seja o assunto principal, está sempre presente.

Perceba os filmes que relatam acontecimentos históricos, por exemplo. Titanic, Pearl Harbor, entre outros. Embora o intuito seja relatar fatos, sempre tem o par romântico estrelado por Leonardo DiCaprio ou Ben Affleck. Mas eu entendo, filmes são feitos para dar lucro, e para isso, precisam de público, e para isso, precisam de amor. Falando em Ben Affleck, você sabia que seu nome completo é Benjamin Geza Affleck?

Curioso, não?!

5 comentários:

*Raíssa disse...

Eu já vi o filme e gostei bastante! Quando eu era mais nova, sempre falava do fato de que todo filme tinha que ter um casal. Eu não entendia isso. Por que tal filme tinha romance se o tema era violência? Romance vende né. As pessoas adoram ver uma pegação as telonas hehe

Beijos!

Ana Paula disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Paula disse...

éééé... é a história de uma doença rara que na verdade serve como base para que pensemos sobre os eternos encontros e desencontros dessa vida... passamos os dias assim... nos encontrando e nos desencontrando consigo, com os amigos, amoress... na minha opinião, não é o amor que vende... e sim o medo de viver o amor que faz com que passemos duas horas em frente a uma telonaaa do cinema, sonhando e pensando - pq isso não acontece comigo? é o meeeedooo de soltar os freiosss!!!

Mas que é bomm uma boa viagem na telona e uma pipoquinha.... ahh isso é!

Aline disse...

Ótimo filme mesmo! Efeitos especiais e maquiagens foram realmente obras de arte! E, nesse caso, o romance só serviu para um tom de realidade afinal ninguém passa pela vida completamente sozinho. Mas o grande momento era chegar na morte dele, na fase de bebê...fora o acontecimento paralelo do furacão Katrina! Filmaço mesmo!!!;)

Bom Carnaval!

Minuto do Intervalo disse...

Mas apesar de toda essa produção, perdeu o Oscar em vários quesitos para o "Quem quer ser um milionário?", que foi produzido com um investimento bem menor.