terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Marley and Me


A capacidade de nos fazer esquecer dos problemas e do mundo real que o cinema proporciona é fantástico. Assisti Marley e Eu. Chorei. Como é boa a sensação de entrar para dentro da telona. Fazer parte do filme. Fiz força para evitar, mas a lágrima insistiu em percorrer o meu rosto.


Por outro lado, não menos incrível é a exigência que passamos a ter em relação aos filmes, depois que estudamos algo sobre cinema. No semestre que passou, tive a disciplina "Cinema e Publicidade". A partir de então, para um filme me surpreender, tem que ser bom.


Não foi o caso de Marley e Eu. Cinematograficamente ele não me deixou com o queixo caído em momento algum. Aliás, por várias vezes eu imaginava o que aconteceria na cena seguinte. E acertava. Porém, existem outros meios de o cinema nos surpreender. E os melhores são nos fazendo rir ou chorar. Ou quando nos identificamos com a história ou algum personagem específico. Agora sim, o caso de Marley.


Tudo bem que a simples presença da Jennifer Aniston já vale o ingresso. Mas algo além disso precisa ser feito para nos manter concentrados e interessados.


Enfim, Marley e Eu me surpreendeu. E como diria o personagem do mesmo, John, "essa é a minha especialidade"!

4 comentários:

Aline disse...

Eu estou me recusando a assistir este filme no cinema por saber a vergonha que eu vou passar. Se lendo o livro eu já soluçava de tanto chorar, nem quero imaginar em público!

Luzzi disse...

Cara, o que tá acontecendo contigo? Chorando no cinema por um filme com uma histório de um cachorrinho... é brabo!!! hehehehe

Brincadeira cara...

A Ana quer ver este filme aí, ela também leu o livro, e pelo que ela me falou é emocionante mesmo.

Se eu chorar quando eu vê-lo te falo!!!!

*Raíssa disse...

Acho a Jennifer Aniston meio chatinha, mas quero ver o filme. O Marley é fofo hehe

Beijo!

Gabi disse...

eu ri e chorei.
mas o livro é bem melhor.

O meu blog mudou de endreço mas já estás likado lá

www.pirofagia.wordpress.com